Maternidade




RELATO DO PARTO DOMICILIAR DO MIGUEL


“Vieste na hora exata, Vieste com a natureza, Vieste a hora e a tempo, Vieste de olhos fechados num dia marcado, sagrado pra mim….Meu amor”

-Quem disse que uma gestação não pode ultrapassar de 40 semanas?

-Quem disse que 1 vez cesária, sempre cesária?

-Quem disse que bebes com circular de cordão não nasce de parto normal?

-Quem disse que mulheres magra e pequenas não podem parir bebes grandes?

-Quem disse que se a bolsa romper, tem que tirar o bebe as pressas?

-Quem disse que toda mulher precisa de ocitocina sintética para parir?

-Quem disse que a ¨dor do parto” é a dor da Morte? Se é que pode ser chamada de dor….

-Quem disse que placenta grau 3 é indicação para cesária?

-Quem disse que é obrigatório toque para acompanhar evolução de trabalho de parto?


Há procedimentos que não devem ser usados de rotina, pois o parto é algo fisiológico…escutei todo tipo de coisa, mas a informação é a base, paciência também e confiança, acreditar no seu corpo e no poder que Deus lhe deu.

Comigo foi assim….no dia em que o Brasil nasceu, dia 07 de setembro, e se tornou independente, nasceu também João Miguel, com 40, 3 semanas, as 9:52 da manhã, 3,700 kg, 52 cm, na água, num parto domiciliar e Nasceu uma nova mulher, independente de mitos e do sistema.

Tudo começou numa tarde de Domingo dia 06 de setembro as 16:00 horas, quando ao me deitar pra relaxar minha bolsa rompeu, confesso que tomei um susto com tanto aguaceiro, mas chamei manasses e me dei conta do que estava acontecendo, afinal estudei muito e me preparei bastante para esse dia, e o estava esperando com toda ansiedade do mundo, foi uma alegria imensa saber que estava chegando a hora. Quero dizer que apesar da preparação para um parto natural, nunca descartei a cesariana necessária em caso de emergência. Depois que a bolsa rompeu ele esvaziou o quarto das crianças, onde iria montar a piscina e assim o fez, claro que sabíamos que podia demorar, podia demorar horas, dias….no momento estava sem dor, só contrações porem indolores, que já vinha sentindo desde das 30 semanas, liguei para a doula e comuniquei que a bolsa havia rompido e também para equipe que iria me acompanhar, Cida (doula) me disse que estaria vindo para minha casa. Continuamos a vida como se nada tivesse acontecido, Manassés foi a igreja, pois estava escalado para levar a palavra de Deus, fiquei em casa eu e minha sogra, super tranquilas as 18:00 horas começaram as dores, fracas e pareciam ate cocegas, sim era apenas incômodos, que na verdade já vinha sentindo há uma semana, mas dessa vez vinha pegando ritmo, sempre dava se 15 em 15 minutos, as vezes 10 em 10, eu mesma comecei a monitorar com um aplicativo de celular. As 20:00 horas Manassés chegou junto com Cida e eles começaram a monitorar junto comigo, as dores foram ficando frequentes, mas bem suportáveis, de 5 em 5 minutos e duração de 40 segundos, durante elas ficávamos em silencio e quando passava voltávamos a conversar e rir, eu pensei: - Nossa, isso dar pra passar de boa!, porém elas iam se intensificando, Cida me propôs tirar um cochilo, e eu consegui cochilar 1 hora. Me levantei, me hidratei, fui para o terraço contemplar a lua, Manassés Vieira me fazia massagens, me abraçava isso me dava muita segurança, ele sempre reversava com Cida. Fiquei na bola debruçada sobre o sofá e também sobre a mesa. Fui para chuveiro, levamos a bola e fiquei lá, água morna nas costas, aliviava bastante a sensação, na verdade queria dormir ali debaixo daquele chuveiro. Quando sai me lembro que troquei o top que estava usando, e dai adentrei num lugar a qual nunca teria conhecido antes porque me foi roubado no parto anterior, nesse momento não me lembro bem oque aconteceu, me disseram que dormi mais 1 hora, então já se era 5:00 da manha… Chegou Renata (enfermeira/parteira), com aquela simpatia toda, lembro que auscultou os batimentos de Miguel e aferiu minha pressão, tudo ok! Logo depois lembro que Tatiane (enfermeira/ parteira) adentrou o quarto e com muito carinho me deu um beijo na testa,realmente um amor de pessoa. Logo Depois chegou Kezya (fotografa), a conheci naquele momento, tão discreta, que a sua presença lá no quarto não me fazia nem perceber de que tinha alguém me fotografando, obrigado! Logo depois chegou Waglania (enfermeira/ parteira) a qual posso dizer que foi minha segunda doula, sempre tão preocupada comigo. Entrei na piscina, água quentinha, uma delicia, nesse momento estava sim no lugar chamado PARTOLANDIA, a ocitocina, Hormônio do amor era liberado com toda força, enquanto a endorfina, o Hormônio do Prazer me ajudava a relaxar, foi uma delicia conhecer essa sensação, o ambiente estava calmo, silencioso, escuro, apenas com uma luz fraca, parecia que estava mergulhando dentro de mim mesma, foi incrível, aproveitei cada segundo, pois sabia que ia passar.Manassés entrou na piscina e fez massagens nas minhas costas e aquilo me fazia sentir tão segura e tão amada, pois sabia que ele estava ali me ajudando, orando junto comigo, e buscando a presença de Deus. Minha sogra, sempre me dando forças em palavras, era a terceira doula. Cida sempre se preocupando passando óleo de lavanda em mim, super relaxante. As parteiras vinham sempre auscultar os batimentos de Miguel para ver como estava o seu bem estar, o nosso bem estar. Recebi carinho de todos, palavras de incentivo, e posso dizer que meu trabalho de parto tem gosto de Sorvete de Delicia de abacaxi, sempre me alimentando, tomando sucos, água, sorvete e frutas, para não desidratar e me manter sempre firme. Durantes as contrações passei a sentir uns puxões, que não era voluntario, era algo que meu corpo fazia e eu me entreguei a isso. Toda vez que vinha uma contração eu pensava que era só mais 1, e que seria menos 1! e na minha cabeça sempre vinha a frase da Musica AGUENTA FIRME, que diz: - aguenta firme não desista, continue a lutar, as lutas e as dores acontecem, mas chega uma hora aonde elas tem seu fim…. E me vinha a palavra do Senhor que dizia; - porque Eu Sou o Senhor teu Deus te tomo pela mão e te ajudo! Eu sabia que Deus tinha me feito pra aquilo, eu sabia que era forte, porque ele me deu essa força, eu sabia que eu era capaz! As horas se passaram e já era mais de 8 da manha ( acredito) e me perguntaram se eu não queria ir para a banqueta, falei que dentro da piscina eu não saia(kkk) então se eu não fui a banqueta, a banqueta veio a mim, colocaram a banqueta dentro da piscina e eu me sentei, fiquei um tempo nela e confesso que nessa hora eu pensei: -será que eu vou mesmo conseguir? Não pela dor, porque a dor achei o mínimo e sim pela minha impaciência mesmo, Foi quando minha sogra chegou pra mim e sempre dizia: - sim, você consegue, tem muita gente orando por você! Naquele instante na banqueta senti que ele estava descendo e resolvi tocar, sim era a cabecinha dele bem ali , falei que algo estava embaixo e perguntei se era o bebe, Cida me falou: - Sim, é ele! E me disse assim como uma linda flor se abre, deixe-se abrir também! Que palavra Cida, essa frase vai marcar minha vida, assim como você marcou. Sai da banqueta e sentei na piscina, todos estavam no quarto num total de 8 comigo, todos em silencio, o que apenas se escutava era o choro de Manassés, foi algo emocionante, Ninguém interferiu, enquanto trabalhava junto com meu filho, todos assistiam sem intervir na natureza de Deus, já não havia mais dor, apenas o que sentia era o famoso circulo de fogo, eu gritei que estava queimando tudo, mas sabia do que se tratava, que sensação arrebatadora, saiu a cabeça e foi visto que ele estava com o cordão enrolado no pescoço, veio a próxima contração e João Miguel nasceu…

MOMENTO ÚNICO, MARAVILHOSO, O MUNDO HAVIA PARADO E NÓS CONSEGUIDO


…….Tati desfez a circular e ele veio direto para o aconchego dos meus braços, eu gritei, gritei, gritei, tudo que não tinha gritado durante o trabalho de parto, MEU FILHO, MEU FILHO, MEU AMOR! Eu consegui! Nós conseguimos! Ele sugou no primeiro minuto de vida. A emoção tomou conta de todos, Vinícius com o sorriso nos lábios, Manasses chorava que nem uma criança, todos saíram e ficamos ali, nós 3, vendo cada detalhe do presente que Deus tinha nos dado, uma perfeição. Foi perfeito, foi lindo, foi além do que eu podia imaginar. Quero agradecer a Deus e a todos que se fizeram presente neste dia tão especial. Posso te dizer o sofrimento não está no parto e sim nas pessoas que estão ao redor e em como ele é tratado. Meu filho veio de uma maneira linda, sem intervenções, cheio de amor e carinho, não precisei de ocitocina sintética , não levei toque, no ambiente que me sentia segura, no aconchego do meu lar. Infelizmente perdi no primeiro parto por medo da bendita dor e falta de informação, mas digo tudo na vida serve para nosso aprendizado e hoje sou prova viva disso, e muito feliz, pois hoje tenho história pra contar. Hoje tenho 2 filhos lindos, que amo sem medidas, as coisas mais preciosas que o Senhor me enviou, Marcus Vinicius e João Miguel. Ah quase me esqueci...muitas me perguntam: - e a dor? Sem anestesia? A sociedade está acostumada que a dor é sempre uma experiencia negativa e que devemos evitar. Na dor do parto por ser desconhecida por muitas, elas não querem nem sentir e preferem nem experimentar, pois bem, na minha concepção a dor do parto não é ruim, por mim nem deveria ser chamada de dor e sim de uma sensação intensa que vem como as ondas do mar, algo delicioso e prazeroso de se sentir, sim, falo de coração! Agradeço a Deus, sem ele nada disso teria sido possível. Ana Paula Araújo, que me auxiliou no pre natal, obrigada Ana, por sua simpatia e amor. Dr Suzely Aragão Renato Ramalho, que nos orientou e tirou duvidas na consulta que tivemos com ele, Dr. meu marido saiu outra pessoa depois dessa consulta viu? obrigado! Mikely e Erik que nos ajudou nesse dia, Cida Farias minha doula amada, Waglânia Frreitas, Renata Miranda Correia, Tatianne Cavalcanti Frank, Eneline Gouveia Pessoa, Zeza Vieira minha sogra, Kezya Souza, Isabela Menezes. obrigado gente!